Pesquisar no Site

 
 
  ATENÇÃO!
Se você sofreu algum tipo de violência ou tem dúvidas a esclarecer a esse respeito,
entre em contato com o 180
- Central de Atendimento à Mulher - funciona 24 horas e a ligação é gratuita.
   




Notícias
Lei Maria da Penha é abordada em seminário indígena
Publicada em 22-10-2009

Índias de três estados do Nordeste participam do evento no Lar Sagrado Coração de Jesus

A Fundação Nacional do Índio (Funai), em parceria com a Secretaria de Estado da Mulher, Cidadania e Direitos Humanos, realiza o VIII Seminário Participativo sobre a Lei Maria da Penha com mulheres indígenas dos estados de Alagoas, Sergipe e Bahia. O seminário acontece nesta terça-feira (20) até a quinta-feira(22), no Lar Sagrado Coração de Jesus, na Serraria.


Cerca de 50 mulheres indígenas de Alagoas participam do evento, que pretende analisar, esclarecer e discutir, entre as indígenas, como funciona a Lei Maria da Penha, facilitando assim casos de denúncia ou qualquer ato de violência cometida contra elas.

No primeiro dia do evento houve a discussão entre os participantes de como tem sido tratada a questão da violência nas comunidades indígenas e foi feita a leitura da Lei Maria da Penha.

A gerente do Núcleo Indígena da Secretaria de Estado da Mulher, Cidadania e Direitos Humanos, Marinete Andrade, exalta o trabalho que já vem sendo feito pela pasta. “Somos parceiros porque sabemos da importância da Lei Maria da Penha. Estamos realizando um trabalho de conscientização em várias comunidades, tanto da capital quanto do interior, com a promoção de palestras e distribuição da cartilha Maria da Penha”, ressaltou.

A intenção, segundo Marinete, é socializar as discussões sobre um tema tão presente na sociedade, que é a violência contra a mulher.

Já os representantes da Funai, promotora do encontro, garantem que a iniciativa pretende sensibilizar as mulheres para que elas saibam quando estão sendo vítimas de maus tratos. A Funai tenta coibir qualquer ação contra as mulheres indígenas, promovendo palestras, para que elas possam se conscientizar de seus direitos, mostrando que as vítimas da violência têm a proteção de justiça.

Retirado de Gazeta Web
Fonte: Gazeta Web
 
 
 
Início