Pesquisar no Site

 
 
  ATENÇÃO!
Se você sofreu algum tipo de violência ou tem dúvidas a esclarecer a esse respeito,
entre em contato com o 180
- Central de Atendimento à Mulher - funciona 24 horas e a ligação é gratuita.
   




Notícias
Grupo no Rio trata agressor de mulher
Publicada em 16-01-2009
Grupo no Rio trata agressor de mulher
Projeto-piloto do governo federal em Nova Iguaçu atende 12 homens com histórico de violência contra companheiras.

Objetivo do atendimento é reduzir a reincidência de casos; atendimento, porém, não substitui a pena imposta ao agressor.

ITALO NOGUEIRA
DA SUCURSAL DO RIO
 
Após dois anos de aprovação da Lei Maria da Penha, o governo federal implementou o primeiro centro público de atendimento de agressores de mulheres, como determina a lei. O objetivo é diminuir a reincidência dos autores de crimes de violência contra mulheres.
O projeto-piloto -que se aprovado será modelo para todo o país- foi implantado há um mês em Nova Iguaçu (Baixada Fluminense). Com verba de R$ 1,1 milhão da Senasp (Secretaria Nacional de Segurança Pública), a prefeitura vai implementar o programa até 2009 e atender até 900 homens.
Segundo dados da Secretaria Especial de Políticas Públicas para as Mulheres, mais de 18 mil relataram ao centro de atendimento do governo (telefone 180) terem sofrido alguma violência. Muitos casos, para a secretaria, são de homens reincidentes, o que se pretende combater com o projeto.
"Quando uma mulher encerra o ciclo de violência saindo de casa, ou qualquer outra coisa, esse mesmo agressor arruma outra mulher e a espanca. Não temos dados estatísticos sobre isso, mas é algo que está permanentemente nos serviços públicos", afirmou a subsecretária de Enfrentamento à Violência da SPM, Aparecida Gonçalves.
A metodologia aplicada em Nova Iguaçu foi criada por ONGs, e já é usada experimentalmente há nove anos no Rio, São Paulo e Recife. Mas é a primeira vez que o poder público oferece o serviço como determina a Lei Maria da Penha.
 
Pena
O atendimento não substitui a pena imposta ao agressor pelo juiz, mas pode ser a única determinação do magistrado em alguns casos. No entanto, gestores municipais e federais apresentam divergências em relação ao público que o centro poderá receber.
Fernando Acosta, diretor do Serh (Serviço de Educação e Responsabilização para Homens Autores de Violência Doméstica contra a Mulher) de Nova Iguaçu, considera importante aceitar não apenas homens encaminhados pela Justiça mas também voluntários (que já tenham passagem por delegacias especializadas de atendimento à mulher ou não).
"Os encaminhados pela Justiça, chegam se sentindo injustiçados. Eles têm uma grande resistência ao programa, o que dura por uns oito encontros. (...) Os voluntários já chegam sabendo que algo não está bem com eles. No diálogo com os outros, eles servem de contraponto. Uma coisa é um psicólogo, um psicanalista, um educador facilitar uma conversa para que o homem perceba que algo não está bem com ele."
Já Gonçalves acredita que o encaminhamento deve ser feito apenas pela Justiça. "A responsabilização não pode ser da minha cabeça, da cabeça de uma psicóloga, da cabeça de alguém da área de saúde. A responsabilização tem que ser judicial, porque senão vamos começar o período da inquisição."
Segundo Acosta, o primeiro grupo de discussão formado em Nova Iguaçu por 12 homens têm sete encaminhados pela Justiça e cinco voluntários.
São Paulo, domingo, 30 de novembro de 2008 Folha de São Paulo cotidiano

"Aprendi a não brigar", afirma ex-agressor

DA SUCURSAL DO RIO
O comerciante X, 57, afirma que dava "uns trancos" na mulher até responder na Justiça por violência contra a mulher. Casado há 36 anos, ele afirma que o tratamento de grupo por qual passou o ensinou a "virar as costas" quando "provocado".
"A melhor maneira de brigar é virar as costas e seguir seu caminho. Quando você faz o errado, simplesmente perde a razão", afirmou o comerciante, que pediu que seu nome não fosse divulgado.
Depois de responder na Justiça por agressões à mulher, ele integrou um grupo de discussão de homens agressores, o que o fez refletir sobre o motivo pelo qual agredia a companheira. "Eu não fui educado. Fui criado por italianos. (...) Com o tratamento, percebi que esse machismo exacerbado não leva a nada", observou.
A metodologia -aplicada por ONGs (organizações não-governamentais) desde 1999 e adotada em Nova Iguaçu no primeiro serviço público de atendimento a agressores- consiste na formação de grupos de discussão de 12 a 14 homens em média, sobre temas como machismo, violências contra a mulher e relação de gênero.

Socialização
"Discutimos a socialização dos homens, baseado num código de masculinidade que os homens teriam que cumprir: sendo seletivos com determinados sentimentos como amor, afeto, medo, tristeza, tendo sempre que ser bem-sucedido, podendo expressar ódio e raiva... É todo um código inalcançável, idealizado, que nenhum homem consegue cumprir. Tudo isso vira fonte de sofrimento para o próprio homem e para as violências que praticam contra as mulheres", disse Fernando Acosta, diretor do projeto em Nova Iguaçu, município da Baixada Fluminense. (IN)



Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/fsp/cotidian/ff3011200823.htm
 
 
 
Início