Pesquisar no Site

 
 
  ATENÇÃO!
Se você sofreu algum tipo de violência ou tem dúvidas a esclarecer a esse respeito,
entre em contato com o 180
- Central de Atendimento à Mulher - funciona 24 horas e a ligação é gratuita.
   




Notícias
Varas da Mulher no estado estão entre as pioneiras do país
Publicada em 25-03-2011
<!--[if gte mso 9]><xml> Normal 0 21 false false false MicrosoftInternetExplorer4 </xml><![endif]--><!--[if gte mso 9]><xml> </xml><![endif]--><!--[if !mso]><object classid="clsid:38481807-CA0E-42D2-BF39-B33AF135CC4D" id=ieooui></object> <style> st1\:*{behavior:url(#ieooui) } </style> <style> /* Style Definitions */ table.MsoNormalTable {mso-style-name:"Tabela normal"; mso-tstyle-rowband-size:0; mso-tstyle-colband-size:0; mso-style-noshow:yes; mso-style-parent:""; mso-padding-alt:0cm 5.4pt 0cm 5.4pt; mso-para-margin:0cm; mso-para-margin-bottom:.0001pt; mso-pagination:widow-orphan; font-size:10.0pt; font-family:"Times New Roman"; mso-ansi-language:#0400; mso-fareast-language:#0400; mso-bidi-language:#0400;} </style>  

 

Veiculada em 25/03/2011 às 09:59

Varas da Mulher no estado estão entre as pioneiras do país

O Brasil possui 21 varas especializadas em violência doméstica e familiar contra a mulher e 22 juizados especiais de violência contra a mulher, com origem a partir da Lei Maria da Penha, de acordo com dados do Conselho Nacional de Justiça (CNJ).

O Maranhão possui duas varas especializadas nessa categoria – em São Luís e Imperatriz, ambas criadas a partir de projeto do desembargador Raimundo Cutrim quando corregedor – e está em posição privilegiada em relação a Santa Catarina, Sergipe, Paraíba e Rondônia. No cenário nacional, é o 13º colocado no ranking de denúncias de violência contra a mulher.

Na varas da capital e Imperatriz tramitam 2.258 processos, entre ações penais, inquéritos e medidas protetivas de urgência.

Criada em 2006 e instalada em 2008, a Vara Especial da Mulher de São Luis tem carro exclusivo e conta com equipe multidisciplinar com profissionais das áreas psicossocial, jurídica e de saúde.

“O trabalho realizado aqui vai além do simples julgamento de processos. Existe a preocupação com o psicológico, não apenas da mulher que sofre a violência, mas também em relação ao autor da violência doméstica”, ressalta o juiz Nélson Melo Moraes Rego, titular da vara, onde tramitam 1649 processos.

O Atendimento Direto e Humanizado para Mulheres Vítimas de Violência Doméstica e Intrafamiliar; o Grupo Reflexivo de Reeducação e Reabilitação Para Autores de Violência Doméstica e Familiar Contra a Mulher; e o Programa Regular de Palestras Sobre a Violência Doméstica são projetos em destaque desenvolvidos pela vara.

Graças a essas iniciativas, o juiz concorreu ao Prêmio Innovare 2009, que tem o caráter de reconhecer as boas práticas do judiciário.

Primeira especializada no combate à violência contra a mulher do Maranhão, e uma das primeiras do Brasil, a vara da mulher de Imperatriz foi instalada em agosto de 2007 e funciona anexa ao Fórum Ministro Henrique de La Roque. Por lá tramitam 609 processos.

O Núcleo de Atenção à Violência contra a Mulher; a Vara Itinerante da Mulher; ciclo de palestras; atendimento terapêutico a casais em situação de violência doméstica no contexto judicial são projetos em evidência.

A juíza Sara Fernanda Gama relembra pesquisa elaborada sobre o perfil sócio-econômico e cultural da vítima e do autor de violência doméstica, atendidos pela vara de agosto de 2007 a dezembro de 2008, e o quanto isso ajuda “a equipe multidisciplinar na hora de atender uma vitima de violência doméstica”.

Este ano, a vara está em busca de parcerias para desenvolver atividades nas comunidades de Imperatriz e divulgar a Lei Maria da Penha, contribuindo para a orientação das denúncias de violência. O Instituto Avon, por exemplo, enviou 1.000 exemplares de material informativo e educativo.

Agressão interminável

Pesquisa divulgada agora em março pela Fundação Perseu Abramo revelou que quase dois milhões de mulheres são espancadas dentro de casa a cada ano.

O estudo mostra ainda que 2,7 milhões levaram tapas, empurrões e apertões nos 12 meses anteriores à pesquisa.

Além da violência física, existem outras formas de violência: moral, psicológica e sexual.

 

 

Michael Mesquita

Fonte: asscom_cgj@tjma.jus.br 

3221-8527

 

 
 
 
Início