Pesquisar no Site

 
 
  ATENÇÃO!
Se você sofreu algum tipo de violência ou tem dúvidas a esclarecer a esse respeito,
entre em contato com o 180
- Central de Atendimento à Mulher - funciona 24 horas e a ligação é gratuita.
   




Notícias
Movimento entrega documento em defesa da Lei Maria da Penha
Publicada em 05-04-2011

Movimento entrega documento em defesa da Lei Maria da Penha

A Coordenadoria Especial de Políticas Públicas para a Mulher de Mato Grosso do Sul (CEPPM/MS) e representantes do movimento de mulheres, movimento feminista, conselhos estaduais e municipais de direitos da mulher se reúnem hoje (4), às 14h30, no auditório da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Seccional de Mato Grosso do Sul, para a entrega do documento em defesa da Lei Maria da Penha.

Participam do evento todas as mulheres engajadas na luta pelos direitos à mulher vítima de violência, como movimentos feministas, sindicatos, centrais sindicais, entidades de classe, conselhos e federações. A meta é entregar um documento direcionado aos juízes de Mato Grosso do Sul, manifestando a defesa incondicional da Lei 11.340/2006, popularmente conhecida como a Lei Maria da Penha. O manifesto trata da realidade enfrentada por milhares de mulheres em todo o País e, mais precisamente, na Capital sul-mato-grossense, onde de janeiro a março desde ano já foram registradas 1.361 ocorrências de violência doméstica, na Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher.

Durante o evento, a coordenadora estadual da CEPPM, Tai Loschi (foto), fala sobre a importância da efetividade da Lei Maria da Penha. “Acreditamos na efetividade desta Lei na medida em que ela representa um avanço significativo para o reconhecimento dos direitos humanos e da cidadania das mulheres, especialmente o direito a uma vida saudável e livre da violência. E também como um mecanismo fundamental de enfrentamento à violência contra as mulheres e como um instrumento na luta contra as desigualdades de gênero”, informa Tai Loschi, ao lembrar que o documento visa “mobilizar e exigir a aplicabilidade da Lei Maria da Penha, assim como realizar ações articuladas para combater o machismo e as desigualdades de gênero em detrimento das mulheres”.

MSnoticias

Fonte: http://www.msnoticias.com.br/?p=ler&id=61627
 
 
 
Início