Pesquisar no Site

 
 
  ATENÇÃO!
Se você sofreu algum tipo de violência ou tem dúvidas a esclarecer a esse respeito,
entre em contato com o 180
- Central de Atendimento à Mulher - funciona 24 horas e a ligação é gratuita.
   




Notícias
Discriminação é uma forma de violência contra as mulheres
Publicada em 29-10-2010

Entre as muitas manifestações de violência contra as mulheres, a humilhação, a depreciação e menos valia em razão de  aparência estão entre as mais freqüentes, porém menos reconhecidas. No entanto, a violência simbólica produz estigmas, sendo uma forma de discriminação há muito considerada pela Convenção  pelo Fim da Todas as Formas de Discriminação   a Mulher (1984), Convenção de Belém do Pará (1995) e pela Lei Maria da Penha (2006), como violação de direitos humanos, devendo ser denunciada, enfrentada e eliminada.

Neste sentido, Campanha Ponto Final na Violência Contra as Mulheres e Meninas, da qual são parceiras  a Rede Feminista de Saúde, que coordena nacionalmente,  e o Observatório pela Implementação da Lei Maria da Penha, vem a público para  denunciar e reprovar a realização do que ficou conhecido como “ rodeio de gordas” no interior de São Paulo, e apoiar as providencias da promotora  Noemi Correa, de Araraquara. A promotora quer a apuração de uma “competição" organizada por um grupo de alunos da Unesp (Universidade Estadual Paulista) e que foi batizada de "Rodeio das Gordas".

Estas manifestações são consideradas inaceitáveis, revelam padrões culturais identificados com a intolerância social e a valorização de modelos únicos de beleza. Propõem a inibição social de jovens e mulheres adultas, produzindo prejuízos à sua identidade e afirmação social.

Não faz muito, outra universidade paulista foi palco de deploráveis cenas de discriminação de uma jovem por usar uma saia considerada por alguns colegas como curta demais. Razão pela qual foram condenados pela opinião publica nacional e também pela justiça.

Para que este tipo de manifestação seja repudiado e condenado pela sociedade e estes jovens tomem consciência de que suas atitudes afrontam a Lei Maria da Penha e violam o direito humano a uma identidade livre de coerção e escárnio, defendemos a aplicação da Lei e de medidas disciplinares por parte da Unesp. É sim, intolerável que uma instituição de ensino permita que tais manifestações venham a ocorrer em suas dependências ou se tornem públicas por seus alunos sem que haja medidas adequadas, no sentido educativo.

 

É o que esperamos e pelo que estaremos vigilantes e lutando.

Pelo fim da violência contra as mulheres. Pela aplicação da Lei Maria da Penha.

CAMPANHA PONTO FINAL NA VIOLENCIA CONTRA MULHERES E MENINAS

Rede Nacional Feminista de Saúde Direitos Sexuais e Direitos Reprodutivos

Observatório  Nacional pela Implementacao da Lei Maria da Penha

Porto Alegre, Salvador, 28 de outubro de 2010


Fonte: OBSERVE
 
 
 
Início