OBSERVE - Observatório Lei Maria da Penha




Ampliando conhecimentos

Artigos | Opiniões | Metodologias | Bibliografia | Documentos


ALMEIDA, Tânia Mara Campos de; BANDEIRA, Lourdes. A violência contra as mulheres: um problema coletivo e persistente. In: LEOCÁDIO, Elcylene; LIBARDONI, Marlene (Org.).O desafio de construir redes de atenção às mulheres em situação de violência. Brasília: AGENDE, 2006. p.19-43.

AMARAL, Célia Chaves Gurgel do; AQUINO, Sílvia de; GÓIS, Ivoneide Lima; LETELIER, Celinda Lílian. Dores visíveis: violência em delegacias da mulher

ANDRADE, Aparecida de Fátima. A violência doméstica e os seus reflexos na saúde das mulheres atendidas na Delegacia Especializada em Defesa da Mulher. Natal, 2001. 81p.

ANDRADE, Marta Champegnoni. Violência contra a mulher e exclusão social. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2003. 2003. 160p.no Nordeste. Fortaleza: REDOR / NEGIF / UFC, 2001.

AQUINO. Silvia de. 2008. Pathways of Women’s Empowerment.: Pathways of women’s empowerment through legal strategies: the case of Maria da Penha Law ( Brazil).

______. Análise de Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher (DEAMs) em funcionamento no Estado da Bahia em uma perspectiva de gênero e feminista. Salvador, 2006. Tese (Doutorado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH), Universidade Federal da Bahia (UFBa), Salvador, 1999.

AQUINO, Silvia de. A trajetória de luta do movimento feminista de Salvador pela criação da Delegacia de Proteção à Mulher. In: MOTTA, Alda Britto da; SARDENBERG, Cecília M.B.; GOMES, Márcia (Org.). Um diálogo com Simone de Beauvoir e outras falas. Salvador: NEIM - Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher, Universidade Federal da Bahia, 2000.

______. Cidadania como estratégia política: resgatando e refletindo sobre a trajetória de luta do movimento feminista de Salvador pela criação da Delegacia de Proteção à Mulher. Salvador 1999. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas (FFCH), Universidade Federal da Bahia (UFBa), Salvador, 1999.

______. Rompendo o silêncio: a violência contra a mulher à luz da esfera pública. In: ÁLVARES, Maria Luzia Miranda; SANTOS, Eunice Ferreira dos (Org.). Olhares & diversidades: os estudos sobre gênero no Norte e Nordeste. Belém: GEPEM/CFCH/UFBA: Redor.

ARDAILLON, Daniele; DEBERT, Guita G. Quando a vítima é mulher: análises de julgamentos de crimes de estupro, espancamento e homicídio. Brasília, Conselho Nacional dos Direitos da Mulher/Ministério da Justiça, 1987.

AZEVEDO, Maria Amélia. Mulheres espancadas: a violência denunciada. São Paulo: Cortez, 1985.

AZEVEDO, Marina Lima. O sentido da violência de gênero e a emergência de demandas sociais entre mulheres na delegacia. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2000.

BANDEIRA, Lourdes, “O que não estamos conseguindo alterar na questão da violência contra a mulher?” Disponível em . Acesso em: 05 mar. 2009.

BANDEIRA, Lourdes; ALMEIDA, Tânia Mara C. de; CAMPELO, Eliane. Introdução. Políticas públicas e violência contra as mulheres: metodologia de capacitação de agentes. 6. ed. Brasília: AGENDE, 2006, v.6. p. 256.

BANDEIRA, L. ; ALMEIDA, Tânia Mara C. de. A violência contra as mulheres: um problema coletivo e persistente. In: LEOCÁDIO, E. ; LIBARDONI, M. (orgs.). O desafio de construir redes de atenção às mulheres em situação de violência. Brasília: AGENDE, 2006.

BARRETO, Elaine Cristina Pedroso. Organização psíquica de mulheres que sofrem violência por parte do marido. Recife: Universidade Católica de Pernambuco, 2000.

BARROS, Zelinda. Em Briga de Marido e Mulher a D.P.M. mete a colher: aspectos do cotidiano da Delegacia de Proteção à Mulher de Salvador. Bahia Análise e Dados, Salvador, SEI, v. 7, n. 2, p. 189-207, set. 1997. Disponível em http://www.camara.gov.br/internet/infdoc/novoconteudo/acervo/temas/Tema.asp?cod_tema=70&tipo=3&Agrupador=0. Acesso em: 10 jan. 2008.

BARSTED, L. A violência contra as mulheres no Brasil e a Convenção de Belém do Pará, dez anos depois. In: O Progresso das mulheres no Brasil. Brasília: UNIFEM, 2006.

BLAY, Eva Alterman. Violência contra a mulher e políticas públicas. Estudos Avançados. São Paulo, v. 17, n. 49, dez. 2003. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2009.

BONETTI, A. ; PINHEIRO, L. Primeiro ano da Lei Maria da Penha – algumas análises possíveis. Brasília. MJ, 2007.

BRANDÃO, Elaine Reis; BRUSCHINI, Cristina; HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Violência conjugal e o recurso feminino à polícia. Horizontes Plurais: novos estudos de gênero no Brasil atual. Rio de janeiro: Fundação Carlos Chagas, 1998. p. 51-84.

BRASIL. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Plano Nacional de Políticas para as Mulheres. Brasília: SPM, 2006.

BRASIL. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Pacto Nacional pelo Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília: SPM, 2007. mimeo.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. Conselho Nacional dos Direitos da Mulher. Estratégias de Igualdade: prevenção e combate à violência. Disponível em . Acesso em 11 nov. 2007.

BRASIL. Ministério da Justiça. Secretaria de Estado dos Direitos Humanos. Departamentos dos Direitos Humanos. Gerência da Igualdade de Gênero e de Combate á Violência contra a Mulher. Termo de Referência para Implantação e Implementação de casas-abrigo. Brasília, DF, 2000. Disponível em http://www.mj.gov.br/sedh/cndm/termo.htm. Acesso em 11 nov. 2007.

BRASIL. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. Política Nacional de Enfrentamento à Violência contra as Mulheres. Brasília: SPM, 2007. CFEMEA - Centro Feminista de Estudos e Acessoria. Lei Maria da Penha: do papel para a vida. Comentários à lei 11340/2006. CECIP. 2007. p. 72.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Políticas Públicas. Violência intrafamiliar: orientações para a prática em serviço. Cadernos de Atenção Básica, n. 8,Série A – Normas e Manuais Técnicos; n. 131. Brasília: Ministério de Saúde, 2001. 96p.

CHAUÍ, Marilena. Participando do debate sobre mulher e violência. In: FRANCHETTO, Bruna; CAVALCANTI, Maria Laura; HEILBORN, Maria Luiza. Perspectivas antropológicas da mulher. Rio de Janeiro: Zahar, 1985, p. 23-62.

CORREA, Maria Suely Medeiros. Vivência de Mulheres em Situação de Violência conjugal. Salvador: Universidade Federal da Bahia, 2000. 122p.

CORRÊA, S. PAISM: Uma História sem Fim. Recife: SOS Corpo, 1993.

COSTA, Karine Ferreira; MOREIRA, Maria Ignez Costa; RIBEIRO, Sônia Fonseca. Violência com a mulher na esfera conjugal: jogo de espelhos. In: COSTA, Albertina de Oliveira; BRUSCHINI, Cristina (Org.). Entre a virtude e o pecado. Rio de Janeiro: Rosa dos Tempos/ Fundação Carlos Chagas, 1992.

COSTA, Maria Luíza da; GODINHO, Tatau. Para discutir uma política nacional de combate á violência contra a mulher. In: LEOCÁDIO, Elcylene; LIBARDONI,Marlene (Org.).O desafio de construir redes de atenção às mulheres em situação de violência. Brasília: AGENDE, 2006. p. 45-63.

DAGORD, A. L. de L. Viva Maria: 10 anos. Dissertação (Mestrado em Enfermagem) – Universidade federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003. 136p.

DEBERT, Guita Grin. As delegacias de defesa da mulher: judicialização das relações sociais ou politização da justiça?. In: CORRÊA, Mariza; SOUZA, Érica Renata de (Org.). Vida em família: uma perspectiva comparativa sobre “crimes de honra”.Campinas-SP: Pagu-Núcleo de Estudos de Gênero, Universidade Estadual de Campinas, 2006.

DINIZ, C. S. G. Violência contra a mulher: estratégias e respostas do movimento feminista no Brasil (1980-2005). In: Diniz, Simone; Mirim, Liz; Silveira, Lenira. (Org.).Vinte e cinco anos de respostas brasileiras em violência contra a mulher. São Paulo: Ed. Coletivo Feminista, 2006, v. 1, p15 – 44.

FERNANDEZ, A.M. Violencia y conyugalidad: una relación necesaria. la gestión de las fragilidades y resistencias femeninas en las relaciones de poder entre los géneros. In: GILBERT, E.; FERNÁNDEZ, A. M. (orgs) La Mujer y la Violencia Invisible Buenos Aires: Editora Sudamericana. 1992, p. 142-169.

FERREIRA, G..B. La Mujer Maltratada: un estudio sobre las mujeres víctimas de la violencia doméstica. Buenos Aires: Sudamericana, 1991.

FLITCRAFT, A. Physicians and domestic violence: challenges for prevention. Health Affairs. 1993. cap. 12, p.154 -161.

FRANCO, A.S. Violence and health: preliminary elements for thought and action. International Journal of Health Services. 1992. v. 22, cap. 2, p. 365 - 376.

FREIRE, Nilcéa, Apresentação. In: BANDEIRA, Lourdes; ALMEIDA, Tânia Mara C.; CAMPELO, Eliane. Políticas públicas e violência contra as mulheres: metodologia de capacitação de agentes. Brasília: AGENDE, 2006, p. 9 -10.

GIFFIN, K. Violência de gênero, sexualidade e saúde. Cadernos de Saúde Pública. 1994. cap. 10, p. 146 -155.

GODINHO, T. Para discutir uma política nacional de combate à violência contra a mulher. In: LEOCÁDIO, E.; LIBARDONI, M. (orgs.). O desafio de construir redes de atenção às mulheres em situação de violência. Brasília: Agende, 2006.

GREGORI, Maria Filomena. Cenas e queixas: um estudo sobre mulheres, relações violentas e a prática feminista. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

______. As desventuras do vitimismo. Revista Estudos Feministas. 1993. cap.  1, p.143 -149.

______. Cenas e Queixas: um estudo sobre mulheres, relações violentas e a prática feminista. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra – ANPOCS, 1993.

GROSSI, Miriam. Novas/velhas violências contra a mulher no Brasil. Revista Estudos Feministas. 1994. cap. 1, p. 462 – 472.

______. Novas/velhas violências contra a mulher no Brasil. Revista Estudos Feministas, n. esp. 1994, p. 473 - 484.

______. “Vítimas ou Cúmplices? Dos Diferentes Caminhos da Produção Acadêmica sobre Violência contra a Mulher no Brasil”. In: Encontro Anual da ANPOCS, 15. 1991, Caxambu. Anais... Caxambu: Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, 1991.
 
GROSSI, Miriam Pillar; PORTO, Roseli. 30 anos de pesquisas sobre violências contra a mulher no Brasil. Sexualidade, Gênero e Sociedade. v. 7, n. esp., out. 2005, p. 5 - 8.

GROSSI, Miriam Pillar; MINELLA, Luzinete Simões; PORTO, Rozelli (Org.). Trinta anos de pesquisas feministas brasileiras sobre violência. Florianópolis: Editora das Mulheres, 2006.

GUERRA, N. G. Violence prevention. Preventive Medicine. 1994. cap.  23, p. 661 - 664.

HEILBORN, Maria Luíza. Violência e mulher. In: VELHO, Alvito (Org.). Cidadania e violência. 2.ed. rev. Rio de Janeiro: UFRJ, FGV, 2000, p. 90 - 99.

HEISE, L. Violence against women: the missing agenda. In: KOBLINSKY, M. et al. Health of women: a global perspective. Boulder, San Francisco & Oxford: Westview Press. 1993. p. 171 -195.

HEISE, L.; PITANGUY, J.; GERMAIN, A. Violencia contra la Mujer: la carga oculta sobre la salud. Organização panamericana de la salud. Programa Mujer, Salud y Desarrollo. Washington. 1994.

ISIS INTERNACIONAL. Violencia en contra de la mujer en América Latina y el Caribe. Información y políticas. Informe Final. Santiago, Chile. (Mimeo). 1990.

IZUMINO, Wânia Pasinato; SANTOS, Cecília MacDowell. Violência contra as mulheres e violência de gênero: notas sobre estudos feministas no Brasil.Israel, 2005. Disponível em: . Acesso em: 15 fev. 2007.

IZUMINO, Wânia Pasinato. Justiça para Todos: os juizados especiais criminais e a violência de gênero. Tese de Doutorado. Departamento de Sociologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

IZUMINO, Wânia Pasinato. Justiça e violência contra a mulher: o papel do sistema judiciário na solução dos conflitos de gênero. São Paulo: Annablume: FAPESP, 1998. 278 p.

LANGLEY, Roger; LEVY, Richard C. Mulheres espancadas: fenômeno invisível. São Paulo: HUCITEC, 1980. Tradução de Cláudio Gomes Carina.

LEOCÁDIO, Elcylene; LIBARDONI, Marlene. O desafio de construir redes de atenção às mulheres em situação de violência. Brasília: AGENDE, 2006. p. 186.

MENDES, Colina Helena Figueira. Vozes do silêncio: estudo sobre violência conjugal. Rio de Janeiro: Fundação Osvaldo Cruz, 2005. 140p.

MENEGHEL, Stela Nazareth; CAMARGO, Márcia; FASOLO, Lúcia R. ET AL. Mulheres cuidando de mulheres: um estudo sobre a Casa de Apoio Viva Maria, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro. V. 16, n. 3, p. 747-757, jul./set. 2000.

Ministério da Justiça, Secretaria Nacional de Segurança Pública – SENASP RELATÓRIO DESCRITIVO PESQUISA DO PERFIL ORGANIZACIONAL DAS DELEGACIAS ESPECIALIZADAS DE ATENDIMENTO À MULHER (Brasil – 2003 a 2006) Novembro / 2007.

MOREIRA, M. I. C.; RIBEIRO, S. F.; COSTA, K. F. Violência contra a mulher na esfera conjugal: jogo de espelhos. In: COSTA, A.; BRUSCHINI, C. Entre a Virtude e o Pecado. Rio de janeiro/ São Paulo: Rosa dos Tempos/ F. Carlos Chagas, 1992. p. 169 -190.

MOVIMIENTO MANUELA RAMOS. Alternativas contra la violencia hacia la mujer. Normas Nacionales e Internacionales. Lima, Perú. 1995.

MOTTA, Débora Menezes Silva; SOUZA, Juliana Marcondes Pedrosa de. O sentido das capacitações de profissionais na perspectiva de gênero. In: LEOCÁDIO, Elcylene; LIBARDONI,Marlene (Org.).O desafio de construir redes de atenção às mulheres em situação de violência. Brasília: AGENDE, 2006. p. 113 -129.

MUNIZ, Jacqueline de Oliveira. Os Direitos dos Outros e os Outros Direitos: Um Estudo sobre a Negociação de Conflitos nas DEAMs/RJ”. In: Soares, Luiz Eduardo. Violência e Política no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, ISER/Relume Dumará, 1996, p. 125 -163.

OLIVEIRA, Suely de. Nem homem gosta de bater, nem mulher de apanhar: fortalecendo a rede de proteção. In: CASTILLO, Martín Márcia; OLIVEIRA, Suely de (Org.). Marcadas a ferro: violência contra a mulher - uma visão multidisciplinar. Brasília: Secretaria Especial de Políticas para as mulheres, 2005. p. 260.

OPS (Organización Panamericana de la Salud). Salud y Violencia: plan de acción regional. División de Promoción y Protección de la Salud. Washington: OPS, 1994.

PANDJIARJIAN, Valéria. Balanço de 25 anos da legislação sobre a violência contra as mulheres no Brasil. Disponível em: . Acesso em: 05 mar. 2009.

PASINATO, Wânia. Estudo de Caso sobre os Juizados de Violência Doméstica e Familiar contra a Mulher e a Rede de Serviços para Atendimento de Mulheres em Situação de Violência em Cuiabá, Mato Grosso. 2008. (Relatório de pesquisa). Observatório Lei Maria da Penha; Nº páginas: 100; Inst. promotora/financiadora: Observatório Lei Maria da Penha - SPM/UNIFEM.

PASINATO, Wânia. Violência contra a mulher no Brasil: acesso à Justiça e construção da cidadania de gênero. Centro de Estudos Sociais. Artigo apresentado ao VIII Congresso Luso-Afro-Brasileiro de Ciências Sociais, Coimbra. set. 2004.

______. “Delegacias de Defesa da Mulher e Juizados Especiais Criminais: Contribuições para a Consolidação de uma Cidadania de Gênero”. Revista Brasileira de Ciências Criminais, Ano 10. n. 40, 2002, p. 283.

PIOVESAN. F.; PIMENTEL, S. Lei Maria da Penha: inconstitucional não é a lei, mas a ausência dela. Artigo publicado no sítio da Agência Carta Maior no dia 17/10/07.

PONTES, Heloísa. Do palco aos bastidores: o SOS-Mulher e as práticas feministas contemporâneas. Tese de Mestrado, Departamento de Antropologia, Universidade Estadual de Campinas – UNICAMP, Campinas, 1986.

ROCHA, L de M.L.N. Casas de Abrigo no enfrentamento da violência de gênero. São Paulo: Veras, 2007. (Série Temas 6).

SAFFIOTI, Heleieth I. B. Gênero, Patriarcado, Violência. São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2004, p. 79 - 80.

______. Violência contra a mulher e violência doméstica. In: BRUSCHINI; UNBEHAUM, S.G. (Orgs). Gênero, democracia e sociedade brasileira. 34. ed. São Paulo: FFC, 2002.

______. Já se mete a colher em briga de marido e mulher. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, PUC, n.13, p. 82 - 91, abr.1999.

______. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, n. 16, p. 115-136, 2001.

______. Violência de gênero no Brasil contemporâneo. Brasília: Rosa dos Tempos; Nipas; UNICEF, 1999. p.115-136, 2001.

______. Violência de gênero no Brasil atual. Revista Estudos Feministas, n. especial, 1994, p. 443 - 461.

SAFFIOTI, Heleieth I. B.; ALMEIDA, Suely de Souza. Violência de gênero: poder e impotência. Rio de Janeiro, Revinter, 1995.

______. Cidade maravilhosa: A outra face. In: SAFFIOTI, H. I. B.; ALMEIDA S. S. Violência de Gênero: Poder e Impotência. Rio de Janeiro: Revinter, 1995. p. 29 - 55.

SANTOS, Cecília MacDowell. Da Delegacia da Mulher à Lei Maria da Penha: lutas feministas e políticas públicas sobre violência contra mulheres no Brasil. Oficina do Centro de Estudos Sociais, Coimbra, n 301, mar. 2008.

SARDENBERG, Cecília Maria Bacellar. Pedagogias Feministas: uma introdução. In: Lourdes Bandeira, Tânia Mara Campos de Almeida e Andréa Mesquita (orgs.), Violência contra as mulheres: Uma Experiência de Capacitação das DEAMs da Região Centro-Oeste. Brasília: AGENDE, 2004.

SHALALA, D. E. Addressing the crisis of violence. Health Affairs. 1993, cap. 12. p. 30 - 33.

SILVA, Marlise Vinagre. Violência contra a mulher: quem mete a colher. São Paulo: Cortez, 1992.

SILVEIRA, Lenira P. Serviços de atendimento a mulheres em situação de violência. Coletivo Feminista. P. 45-77.

SOARES, Bárbara Musumeci. Mulheres invisíveis: violência conjugal e novas políticas de segurança. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

SOARES, B. M. Delegacia de atendimento à mulher: questão de gênero, número e grau. In: SOARES, L. E. (org.). Violência e Política no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: Relume Dumará/ISER, 1996. p. 107 - 124.

SOARES, L.E.; SOARES, B.M & CARNEIRO, L.P., 1996. Violência contra a mulher: as DEAMs e os pactos domésticos. In: Soares, L.E. (org.). Violência e Política no Rio de Janeiro, p. 65-106. Rio de Janeiro: Ed. Relume Dumará/ISER.

SPMulheres -Secretaria Nacional de Segurança Pública e Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres (2006), Norma técnica de padronização: Delegacias especializadas de atendimento à mulher.Brasília,D.F.: Secretaria Nacional de Segurança Pública do Ministério da Justiça e Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres da Presidência da República do Brasil. Brasília, SPM. 2006. p. 45.

STARK, E.; FLITCRAFT, A.; FRAZIER, W. Medicine and patriarchal violence: the social construction of a "Private Event". International Journal of Health Services. 1979.  cap. 9 (3), p. 461 - 493.

SUGG, N.K.; INUI, T. Primary care physicians response to domestic violence. Opening domestic violence. Journal of the American Medical Association, 1992, cap. 267(23). p. 3157 - 3160.

TAUBE, Maria José. Quebrando silêncios, construindo mudanças: SOS / Ação Mulher. In: Mariza Corrêa (org.), Gênero & Cidadania. Campinas-SP, Pagu / Núcleo de Estudos de Gênero – UNICAMP, 2002.

TELES, Maria Amélia de Almeida; MELO, Mônica de. O que é violência contra a mulher. São Paulo Brasiliense, 2002.

THOMPSON, A. (ed.), 2009. “15 Year of the United Nations Special Rapporteur on Violence Against Women, Its Causes and Consequences (1994-2009)”.New York: UN.

UNITED NATIONS, 2006. Ending Violence Against Women: From Words to Action. Study of the Secretary-General, New York: UN.

UNITED NATIONS, 2006b. Agreed Conclusions of the Commission on the Status of Women on the Critical Areas of Concern of the Beijing Platform for Action 1996-2005. Department of Economic and Social Affairs, Division for the Advancement of Women. New York: United Nations.

UNITED NATIONS, 2001. BeijingDeclaration and Platform for Action – Beijing+5 Political Declaration and Outcome Document. New York: Department of Public Information/United Nations.

URIBE, M. L.; SANCHEZ, O. A. Violencia intrafamiliar: una mirada desde lo cotidiano, lo político y lo social. In: Violencia en la Intimidad. Bogotá: Casa de la Mujer. 1988. p. 15 - 51.

www.observe.ufba.br - observe@ufba.br